sábado, 29 de março de 2014

Distância de um amigo

Alguns amigos perguntaram:
    - "Onde eu estava?"
Não importa onde eu estava, simplesmente importa o que eu sentia naquele momento.

Sei que senti saudade de alguns, por alguns... Nada... Muitos estavam comigo em pensamento.

São amigos que talvez pela distância, não puderam estar...
Amigos, que talvez por estarem ao lado de outros amigos, não puderam estar.

Nunca entenda a minha ausência, como um não amar...
Apenas me ausentei por motivos que serão só meus...
Motivos que não espero que você entenda...
Apenas que compreenda, que para os amigos de verdade, eu nunca me ausentei.

Meu amigo. Você sempre estará comigo pelo que você é e pela saudade que me causa...
Sua presença apenas ameniza o sentimento.

Àqueles que chamo de amigo, eu sempre os amarei...

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Faz tanto tempo





Às vezes acho que faz tanto tempo.
Ao mesmo tempo, parece que foi ontem.
Mas veja... Desde o primeiro olhar
Até você se afastar.

Foram tão poucos momentos.
Muitos sentimentos.
Mas foi tão rápido
Sumiu. Trepido. Cúpido.

Mas guardei na lembrança
Este sonho de criança
Esta menina que tanto amei
Que em sonhos chamei

Ficou apenas em sonho
Apenas uma amante
Um amor distante
Latente, carente...

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Ficando Velho



Eu não trocaria meus amigos
Nem minha amada família
Nem minha velha mobília
São todos meus. Tão antigos

Não troco por nada
Por menos cabelos brancos
Nem uma barriga mais lisa
Nem por uma ideia precisa

Com este tempo
Tornei-me meu amigo
Aproveitei do atempo
E construí meu abrigo

Danço ao som dos anos 80,90
Nosso amor a gente inventa
Alguma coisa eu desconheça
Que minha alma não envelheça

Às vezes sou esquecido
Um velho coração partido
Por uma criança que chorou
Um ente que nos deixou

Hoje quando vejo uma criança
Os olhos cheios de esperança
Minha alma agradece
Apenas o corpo padece

Hoje me preocupo menos
Com o que outros pensam
Quando destilam seus venenos
Ou com gestos obscenos

Eu não viverei eternamente
Mas enquanto eu estiver aqui
Só posso dizer o quanto vivi
E que não fui apenas acidente

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Sozinho

Aqui estou eu mais uma vez perdido em minhas poucas palavras, sozinho, ouvindo o sussurro dos fantasmas da noite.

Às vezes me pergunto. Porque gosto de ficar sozinho?

Noites vazias, nada tem, nada importa.

Quero encontrar alguém para curtir uma solidão a dois, mas tenho medo do gostar.

Gostar de alguém que possa me compreender, entender que apenas quero ficar sozinho com meus medos e desilusões.

Tenho certeza de algumas pessoas terão o mesmo sentimento, algumas pessoas não, outras jamais terão.

Eu sei como é este sentimento, pode vir disfarçado, mas muitas vezes estará bem em frente aos olhos e jamais veremos.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Blogs que eu sigo

Ao vento que me leva
Para este BlogZoom
Em meu Pensamento Indelével
Pois sei que Penso. Logo escrevo
Porque sou Safado Poeta

Ah! Se você soubesse
Da Imagem e Palavra
da Pena e Poesia
Kanauã Kaluanã
Um Centeio de Centelhas

Escrevo nesta Casa de Paragens
Um diário da Bruxa Sandra Rosa
Diário que está a vista e ninguém vê
Talvez Uma Crônica por dia
Talvez, uma Poesia? Sim.

Peço licença aos blogueiros e blogueiras destes blogs que estavam nesta seqüencia no dia em que entrei, mas quando vi, vi logo uma poesia.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Desculpas



Queria eu voltar no tempo
Só para te pedir desculpas
Gritaria ao sabor do vento
Tome, leve minhas culpas

Mas fico seco, sem palavras
Não sei dizer coisas bonitas
Digo asneiras, falo besteiras
São apenas palavras aflitas

Fui inconseqüente
Sem pensar no futuro
Um delinqüente
Fui imaturo

Estou em clausuras
Cercado por grades
Sem ter fechaduras
Só com crueldades

Peço que tu perdoe
Este que fui pra ti
Não me amaldiçõe
Erro? Sei que cometi

domingo, 26 de junho de 2011

Adeus de Criança

Oi criança.
Cheia de esperança
Em uma via que não sabe para onde vai.

Entre encontros e desencontros.
Aos trancos e barrancos
Entre bichos e monstros
Sejam azuis ou brancos.

Seguindo a fila da vida
Que acaba na despedida
Uma ferida...
Desiludida.

De só adeus.
Apenas um tchau.
Uma aceno
Não te condeno.

Oi

 


Oi.
Te conheci.
Apenas te vi.
Só uma vez.
Sua tez.

Amor latente.
Adolescente.
Carente.
Quiçá doente.

Amei no instante
Amor distante
Uma só via
Nesta ferrovia.

Oi.
Já foi?
Nem deu tempo.
Apenas um passatempo.

domingo, 13 de março de 2011

Estátua

Parada na rua
Faça sol, chuva
Sob a luz da lua
No frio, sem luva

Teu silencio é um tormento
Teus lábios imóveis, frios
Olhar distante, ao relento
Olhar que causa arrepios

Tu representas a liberdade
Presa em teu concreto
O amor e a saudade
O afeto e o desafeto

Parada na esquina
Esta será tua sina
A tua beleza fascina
Do homem à menina

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Tenho amigos

Tenho amigos,
Que me fazem rir,
Que me fazem chorar.
Mas são meus amigos,
Sou egoísta quanto a eles
E só eu posso falar deles
São amigos que vão,
São amigos que vêm.
Mas sempre serão amigos
Que ficam...
Guardados nas lembranças de um momento.
Momento que eu não faço questão de esquecer.
Sempre terei amigos, para as horas boas,
Para as horas ruins.
Sempre serão meus amigos...
Neste jogo da vida, sei que não jogo sozinho.
Porque eu tenho amigos...
Que cerceio, mas sem tirar a liberdade,
Sei que posso chamar em um momento de necessidade.
Amigos que sempre me serão jóias raras...
Amigos que nunca esquecerei suas caras...
E a qualquer momento, responderei com meu amor
Que sempre será incondicional.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Cai à chuva

Cai à chuva, molha a minha face
Escorre a água,
Mistura-se com minhas lágrimas
Salgado, doce, não sei o gosto
Faz cócegas, uma lágrima foge
Um pingo escorre.

Entre tantos que caem
Aquele era especial,
Talvez por estar dentro de mim
Um fugitivo,
Mesmo sabendo de seu destino cruel,
Irá morrer como todos os outros

Irá escorrer pelo ralo da rua
Misturado a todos
Tornar-se-á mais um pingo d’água
Entre tantos... Foi apenas mais um
Com sua história misturada às outras.

Fecho os olhos

Fecho os olhos
Sinto o momento
Por alguns segundos deixo a vida passar
Estarei mais velho quando abrir os olhos.
                        Apenas alguns segundos.

Momentos passaram.
Mas me foram únicos
Ouvi a música.
Lembrei-me do beijo proibido
Uma vida se passou

Abri os olhos.
Nem um minuto sequer
O relógio continuou o seu tique-tac
Longo... Demorado.
Passou-se apenas mais um minuto em minha vida.

Pés na areia


Pequeninos pés descalços
Que tocam a fina areia
Pezinhos tão travessos
Que a estes grãos cerceiam

Sinto cócegas ao tocar
Pra mim ainda é estranho
Ver um mar deste tamanho
Ainda não sei o tamanho do mar

Um soninho dormi nesta areia
Não importa se bonita ou feia
Não importa se quente ou fria
Meu soninho dormi à maresia

Meus pequenos pés na areia
Foram lavados pela água do mar
Sob este sol que me alumeia
Deste dia que não vou lembrar

O futuro ainda é uma incerteza
Meus pezinhos têm muito a andar
Mas peço. Por gentileza
Deixem o meu caminho...
                        Eu mesma trilhar.



Este poema eu escrevi para uma pessoinha que eu amo muito, e que um dia será muito feliz nesta vida.
Mesmo que eu esteja longe, mesmo que o tempo nos afaste. Este momento ficará registrado. Não aqui, mas em minha memória; os seus pezinhos na areia.
A foto do poema é a original, sem nenhuma modificação. Foi tirada em um momento de alegria e espontaneidade.
Obrigado. Por vocês fazerem parte da minha vida e permitir eu compartilhar este momento com vocês. Amo muito vocês.

Segue teu caminho



Seguir-te-ei em todo seu percurso
Nunca te abandonarei no caminho
Se houver pedras em teu curso
Lembre-se que não estás sozinho

Sua estrada pode ser de flores
Mesmo elas podem ter espinhos
E eles, te causaram muitas dores
Mas nunca desvia de teus caminhos

Mesmo que distante o horizonte
Árdua e sofrida a tua jornada
Lembre-se que ao findar a ponte
Há alegria tão esperada


domingo, 8 de agosto de 2010

Chegou o grande dia

Chegou o grande dia
Que o amor dos dois seja infinito
Que os aqueça na noite fria
Deste momento tão bonito

Quando o sul estiver em tempestade
Que seja este sentimento forte
Para que juntos naveguem ao norte
E o amor seja vossa majestade

Que o amor de vocês dois
Com o tempo somente cresça
Que em toda primavera floresça
Para deixar as desavenças pra depois

Que os dois sejam sempre um
E dois quando necessário
Mas que seja solidário
Para dividir o amargo rum

Trilhem a mesma estrada
E nenhum momento banal
Possa causar o mal
Desta linda jornada

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Vamos dançar?

Olá! Quer dançar?
Mexer este corpo de menina
Teu corpo balançar
No ritmo que fascina

Dançar a luz da lua
No meio da rua
Faremos loucura
Nesta dança impura

Dançaremos no sol de verão
No meio do salão
Com pessoas em festa
Ao som de uma seresta

Dançar contigo ei
Serei teu rei
E você, minha rainha
Serás apenas minha

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Cuida de Mim

Vem cuidar de mim
Não me deixes sentir só
Não quero chegar ao fim
Não quero retornar ao pó

Cuida desta carência
Desta ausência
Que me corrói
Que me destrói

Na escuridão de meu quarto
Sozinho nesta penumbra
De ti eu me aparto
Nada mais vislumbra

Cuida de mim...
Fingirei ser quem não sou
Só para te agradar
Só para não te afastar

Sou apenas um eu que não habita
Dentro de meu corpo vago distante
Lá longe; nos confins do horizonte
Sou apenas mais uma alma aflita.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Eu preciso de alguém

Eu preciso de alguém
Em quem eu possa confiar
Contar meus segredos
E que não vá me enganar

Que não use contra mim
Nada do que eu faço
Que siga o meu passo
Simples assim

Alguém que fique do meu lado
Um ombro para chorar
Para minhas lagrimas enxugar
E dizer que nem tudo esta acabado

Eu quero um alguém
Para contar de meus amores
Dividir tristezas e alegrias
Ate mesmo minhas dores.

Eu não quero um alguém para amar
Quero apenas um abrigo.
Alguém que eu possa chamar
Simplesmente de amigo

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Se eu te amasse tanto

Se eu te amasse tanto
Só a metade do que digo
Acabaria-me em pranto
Tornaria-me mendigo

Brigaria com tudo e todos
Estaria no mundo dos tolos
Perderia sonhos e encantos
Atiraria no meio de tantos

Se eu te amasse tanto
Só um terço do que digo
Viveria em aborrecimento
Seria meu próprio inimigo

Viveria em mim apenas o lamento
Meu mundo estaria acabado
Causado apenas pelo sofrimento
De não ter você ao meu lado

Mas olhe bem menina
Foram palavras ao vento
Escritas naquela esquina
Deixadas ao relento

Se não acredita no que digo
Olhe nos meus olhos
Não há nenhum perigo
Verás que não estou chorando.

sábado, 5 de junho de 2010

Eu só quero um amor

Eu só quero um amor
Pode vir de qualquer jeito
Baixo, moreno
Grande ou pequeno.

Cabelos longos ou curtinhos
Olhos grandes ou pequenininhos
Olhar indecente... Jeitinho carente...
Que cuide de mim quando eu ficar doente

Procuro um amor bandido
Atrevido...
Louco... Alucinado
Mas que não viva no passado

Quero sentar na calçada
Brincar de bolinha de sabão
Enquanto toca em seu violão
Uma música mal cantada

Amor tipo Rosinha e Chico Bento
Correr na chuva, pisar na poça
Que no mais puro sentimento
Lembrar-me da vida na roça

Quero um amor que me aqueça
Na noite fria do meu aniversário
Não faz mal que ele esqueça
De esconder a surpresa no armário

Quero ter um amor disposto
Na madrugada me encontrar
E que faça isso de bom gosto
Só pelo prazer de me abraçar

Eu só queria um amor
Para tirar esta carência
Perder a consciência
Esquecer o desamor

Toque...

Toque...
        Em meu coração...
Toque...
        No piano a nossa canção...
Toque...
        No ar que respiro
Toque...
        Meus lábios nos seus
Toque...
        No doce suspiro
Toque...
        Um simples olhar
Toque...
        Minha mão na sua
Toque...
        Na pela macia do teu corpo
Toque...
        Apenas um desejo de amar

Lua bonita

Lua bonita, de tez clara
Que ilumina esta noite escura
És brilhante, de beleza rara
Nada na noite te censura

Viva em todo teu esplendor
Deixa-me ser teu senhor
Darei-lhe todo meu amor
Não deixareis sentir dor

Teu sorriso me fascina
Perco-me ao te olhar
És do céu a menina
És a rainha do mar

Com São Jorge és casada
Mas não desisto de amar
Vou roubar uma escada
Para no céu ir te buscar



Amor platônico

Este amor platônico
Que se torna irônico
Quiçá cômico
Lacônico

Desejo de uma só direção
Amar sozinho
Acasalar de um só passarinho
Amor sem noção

Viagem de um só coração
Mão esquerda sem a direita
Não tenho mais o passo
Nem mesmo teu abraço

Não posso contigo compartilhar
Este desejo platônico
Vou apenas dele cuidar.
Já se tornou crônico

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Te quero agora

Quero você aqui. E quero agora.
Cometer o pecado, comer do fruto proibido.
Apertar seu corpo, perder o sentido.
Quero tirar este lixo, jogar porta afora.

Quero te amar, te desejar, ter seu querer
Quero que seja o teu, o meu, o nosso.
São palavras jogadas ao vento
Doce relento, apenas o momento

Quero beber deste néctar
Tirar o mel de sua boca
E no perfume de seu corpo
Quero me embriagar

Vem... Deixa, só por mais um instante
Chega de ficar só em pensamento
Quero plantar de novo a semente
Da árvore deste fruto demente

Um novo começo

Quero fazer agora um novo fim
Terminar tudo que comecei
E esquecer o que já terminei

Quero perder a conta no banco, o emprego
Os amores de minha vida
Todos os que me chamam de amigo
Quero começar de novo com paz e sossego

Vou mudar de time, vou cortar o cabelo
Quero nascer de novo. Ainda está em tempo
Já irei nascer mais velho, mais experiente
Em outra cidade, menos indecente

Nesta minha nova vida
Irei amar mais do que amei
Irei chorar mais do que chorei
Irei ter mais amigos do que tive
Darei mais esmola
Jogarei mais bola.

E quando eu cansar desta novo nascimento
Irei de novo fazer um novo fim
Abandonarei tudo novamente
Só para ver o novo acontecimento.

Parada Gay

A parada é gay
Isso eu já sei
Gente colorida
Gente florida

Branco, negro, rosa
Não importa a sua cor
Vão todos cheio de prosa
Distribuindo muito amor

As cores do arco-íris
Enfeitam as janelas
Preenchem a minha íris
Com cores tão belas

Sem preconceitos
Todos têm direitos
Sei os meus deveres
Tenho alguns dizeres

Tu que é tão macho
Sabe o que eu acho?
Tu é gay.
E isso eu sei.

Lâmpada Mágica

Em uma de mil e uma noites
Encontrei a lâmpada mágica
Resolvi guardar meus açoites
Que sempre usei de forma trágica

Suja... Jogada ao chão
Largada na dourada poeira
Esfregar não seria em vão
Apenas limparia sua sujeira

Acredito em conto de fada
Tentar não custa nada
Quiçá apareça um gênio
Três desejos pra este boêmio

Quero só um, Abracadabra, zás traz
Qualquer coisa, tanto faz
Ah! Gênio. Não precisa ser assim
Só traga ela de volta pra mim

Escolhas

Sempre terei escolhas na vida
Sempre haverá outra opção
Posso ser feliz ou levar uma vida sofrida
Optar pelo sim, até mesmo pelo não

Não posso escolher as pessoas que vão me amar
Mas posso escolher as pessoas que vou amar.

Não posso escolher que você não sofra.
Mas posso escolher te ajudar
Para que isso não acorra.
Mas se mesmo assim ocorrer
Escolho amenizar o teu sofrer

Muitas escolhas me dão medo
Posso fazer a escolha errada
Talvez seja ainda muito cedo
Para escolher a pessoa amada.

Posso deixar um namorado
Mas minhas dúvidas me atormentam
Será que tomei um caminho errado?

Posso sentir falta de seus afetos
Sentir falta de sua companhia
Mas eu sei esta é minha mania
E para não achar que foi errado
Vou colocar em ti defeitos

As escolhas que eu fizer
Certas ou erradas irão mostrar quem eu sou.
A meu ver, irei com elas aprender
Quem nesta vida nunca se enganou?

Este poema eu escrevi para uma amiga que ainda não sabe o que quer da vida. Mas ela com o tempo vai descobrir.. (te adoro muitão menina)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Amar por dentro

E tão difícil amar por dentro
Guardar, manter em segredo
Quero gritar sem ter medo
Perder a razão, meu centro

Como posso esconder a beleza
Deste sentimento tão profundo
Dentro de mim tenho a certeza
Amor maior não há no mundo

Fico feliz só de estar ao seu lado
Da sua chegada, com seu bom dia
De seu beijo em meu rosto estalado
Aquecer com a minha sua mão fria.

Tentei sentir somente ódio
Apagar-te de qualquer vida
Viver sozinho em meu ócio
Sem razão te acho bandida

Mas a ti peço teu perdão
Por amar sem permissão
Por querer este coração
Por vezes não ter razão.

Céu Cinzento

Hoje o céu esta chorando
Sua tristeza e tão grande
Que suas lágrimas estou vendo
Em qualquer lugar que'u ande

O céu hoje está cinzento
Mas não perde sua beleza
Mesmo com tanta dureza
Mesmo na cor do cimento

Não seja duro com você mesmo
Eu também já chorei a esmo
Deixe teu sol aparecer
Deixe-o te aquecer.

Se eu pudesse te acariciaria
E tuas lágrimas enxugaria
Mas sei que não vou escapar
De com tuas lágrimas me molhar.